O fundador da Fazenda Ingazeira, chamava-se Agostinho Nogueira de Carvalho, que era irmão de José Nicolau, estabelecido na Fazenda Cachoeira, Espírito Santo, da família cearense do Carcará.

Os filhos de Agostinho, foram:

Agostinho, Dona Iná, que se casou com o coronel Francisco Miguel de Siqueira, vindo de baixo, chefe político e alta personagem, porem maléfica, por cobiça e orgulho.

Morreu o coronel Francisco Miguel de Siqueira, em 1878, motivado pela queda de animal na entrada da Ingazeira quando voltava de Afogados, a qual tinha prometido exterminar.

Sua filha Leopoldina de Almeida Barbosa, foi esposa do Sr. Antonio Italiano, estabelecido no Riachão, na terra que era do tenente Pedrosa, genro e sobrinho do coronel Francisco Miguel.
Em 1820 Agostinho Nogueira de Carvalho, iniciou a construção de uma capela dedicada a São José da Ingazeira.

Morrendo no ano de 1832, seu filho do mesmo nome continuou a obra.

Somente em 1849 foi esta, mediante auxílio da província posta mais ou menos no ponto a que vemos hoje. Tinha sido elevada a categoria de matriz, em 1836, para a Freguesia das Cabeceiras do Pajeu. Em 1836 a desobriga dava um total de 2215 confissões por 6500 almas.

O vigário Plácido era zeloso e ativo. Os sucessores não foram tanto. No ano de 1859 passou frei Caetano que convocou a população a reconciliação, enterraram todas as armas (bacamartes, facas, etc.) todas em Poço Fundo e em cima ergueram o Cruzeiro, por traz da Igreja.

O coronel Francisco Miguel desfeiteava os sacerdotes que por ali se sucediam. Insultou o padre João Vasco na igreja e este se retirou chorando e saiu do lugar. Mais tarde (1876) exigiu do padre Pedro, último vigário da ingazeira e primeiro de Afogados, que demorasse a iniciar a missa porque chegava de viagem e queria esfriar os pés e descansar o corpo.

Riachão ? era do Cariri Velho, descendente de duas moças únicas que escaparam ao carnifício de uma fazenda, pelos índios no tempo do levante dos Tapuias, vieram fugidas para o lugar São Pedro.

São elas as origens da população das Queimadas, atualmente São José do Egito.
Volta ? Joaquim Amorim criou a Fazenda Curral Velho, atualmente Volta, morava no lugar onde hoje está Manuel Vidal. Uma filha dele, chamada Tereza, casou-se com um Inglês, dizem de nome Wrigth Jassow, que tomou o nome de Francisco Ricardo Nobre Cavalcante.

Desse casamento é que precedem:
Henriqueta, que se casou com Leandro Lutarino de Freitas, oriundo do inhamum (ceará) da família Feitosa, e teve filha Sophia, que casou com Vidal de Siqueira Carvalho, de quem procedem: José Vidal, Jovino Vidal e Manuel Vidal.
Carolina, que se casou com Florêncio Lutarino de Freitas, irmão de Leandro. São pais de diversos filhos, entre eles, Joaquim (quinca Flor).
Espírito Santo Vidal de Siqueira Carvalho, era filho de Isidoro de Siqueira Carvalho, estabelecido no Espírito Santo. Este aparentado (primo legitimo do cel Esperidião), da família do Carcará, Visconde de Saboeira (Ceará).

Varas ? O primeiro fazendeiro do Riacho das Varas, tinha o nome de Francisco Barbosa de Sobral. Era criador, neto de Joaquim Amorim, bem como o irmão Antonio Amorim, pai de Timotheo Amorim, a fazenda de Francisco estava por traz da atual casa de José Vidal.

Casou-se ele com dona Leonor, vinda do Piauí, rica com intenção de casar com o vaqueiro Agostinho, da casa de Francisco, que a tinha trazido. Porem Francisco cedeu-a benevolamente a Francisco Barbosa. Nada se sabe da descendência.

Vidal Siqueira Carvalho era filho de Isidoro, que vivia no Espírito Santo. Duas filhas dele se casaram na Volta.
Vicente Estevão, oriundo do Monteiro, teve diversos filhos, entre os quais: José Estevão, que se casou com a cunhada (morta a primeira mulher) chamada Ana, ambas filhas de Vidal de Siqueira.
São estas as casas mais antigas desta freguesia. O desdobramento dessas famílias é que vão repartindo entre os novos casais as terras.
Joaquim Amorim, era português, morava na Volta, então Curral Velho. Francisco Barbosa zangou-se com os vizinhos do Riachão e retirou-se para o Riacho das Varas.

Ingazeira ? Magnificamente situada à beira do Rio Pajeu, com terrenos excelentes, extensos, próprios para agricultura, levemente ondulados e em redor, numa extensão de cinco a seis léguas de matas vivas, ricas em pastagens, próprias para criação de gado. A providência preparou esse lugar para habitação dos homens.

Ali, no meado do século XVII estiveram missionários capuchinhos do Convento da Penha do Recife, onde Antonio de Oliveira, os tinha ido buscar para sua fazenda. Andou frei Theodosio, pelo Planalto da Borborema e cabeceiras do Pajeú.

Ainda hoje se vê derrabado e seco, o tronco da baraúna, debaixo da qual foi dito a primeira missa nessa região da Ingazeira. Antonio de Oliveira tinha sua fazenda na confluência do Xucuru e Parahiba, (hoje município de Monteiro-PB), possuía uma gangorra no lugar São Pedro, onde construíram uma capela.

Compartilhar nas Redes

2018 Powered By Prefeitura de Ingazeira - PE

Alterar Tamanho